Desfazendo Mitos

  • Psicólogo é para loucos. Essa crença é desprovida de fundamentos. Psicólogo e psicoterapia são para pessoas normais, que estejam vivenciando limitações. A área da saúde que dá conta de lidar com doentes mentais graves é a Psiquiatria, por meio do uso de medicamentos.
  • O Psicólogo prescreve medicações. Ao contrário: a prescrição de medicamentos lhe é vedada. O psicólogo trabalha no sentido de retirá-los, obviamente contando com a anuência médica.
  • Psicoterapia é aconselhamento. Esse é outro equívoco. Ao aconselhar, o conselheiro parte do pressuposto de que ele é a referência e deve ser tomado como padrão pelas pessoas. Isso é um equívoco.
  • No fundo, somos todos iguais. Eis outro mito que deve ser repensado. Atualmente existem aproximadamente 7,0 bilhões de pessoas no mundo. Certamente já existiu e existirá no futuro pessoas em número muito maior do que esse, porém podemos afirmar que nunca houve, não há e nunca haverá duas pessoas exatamente iguais. Não estou falando de características físicas, mas de personalidade e identidade. Mesmo os gêmeos univitelinos, apesar das semelhanças físicas, não são iguais no comportamento nem na identidade. Na página Textos, falo um pouco disso, no texto Clone.
  • Medicamentos para insônia fazem a pessoa recuperar o sono. Isso é verdade, porém os medicamentos hipnóticos induzem o sono superficial, e a pessoa passa a dormir oito, dez horas ou mais, porém a qualidade desse sono deixa a desejar. É comum observar que pessoas que se utilizam de medicamentos para dormir apresentam olheiras que denunciam não a falta do sono, mas a baixa qualidade do sono. Os medicamentos para esse fim induzem um sono superficial, impedindo, contudo, que a pessoa atinja o 4.º estágio do sono, chamado sono REM. Nesse estágio, ocorrem movimentos rápidos de olhos, processo que promove o descanso da mente, evidenciando um sono sadio. Quando se usam medicamentos hipnóticos, a pessoa descansa o corpo, mas não descansa a mente e acorda mal humorada, irritada, indisposta, com olheiras, permanecendo assim a maior parte do dia.
  • Há pessoas que acreditam que o psicólogo tem o poder de saber o que se passa na cabeça das pessoas. Alguns até acreditam que conversar com um psicólogo seja se expor, pois ele saberá o que lhe vai no íntimo. Embora o comportamento seja o objeto de estudo da psicologia, e esta se fundamente nos conhecimentos da mente inconsciente, da filosofia e da antropologia, isso não confere tal poder ao profissional da psicologia e da psicoterapia. Podemos, sim, fazer leituras de outras formas de comunicação interpessoal, como a postura, o sistema de captação visual, os passos de processos internos, e até a comunicação passível de ser feita pelos sintomas, porém isso não nos põe uma bola de cristal nas mãos, nem nos permite penetrar na mente humana.
  • A hipnose é uma forma de uma pessoa obter controle sobre a outra. Esse é outro mito muito difundido, mas que não expressa a verdade. Quando uma pessoa entra em transe sonambúlico, a sugestão para que ela faça algo que vá de encontro aos seus princípios, a fará sair do transe imediatamente. Existem duas formas de hipnose: a de palco, que se presta apenas a produzir um espetáculo, e a hipnose utilizada em psicoterapia, ambas diferentes. A Hipnose Ericksoniana é muito mais útil, mais elaborada, mais refinada e adequada ao trabalho psicoterapêutico. A pessoa atendida em Hipnose com a utilização da Hipnose Ericksoniana, atinge estados alterados de consciência, porém, mantendo-se consciente durante todo o exercício