Aplicações da Psicoterapia

A abordagem em Psicoterapia Breve Ericksoniana com a utilização dos conhecimentos e instrumentos da Psicologia, da Psicanálise e da PNL, não difere das outras abordagens e se propõe a tratar distúrbios e transtornos psicopatológicos, psicossomáticos, conflitos pessoais e interpessoais, ansiedade, estresse, depressão, síndrome do pânico, fobias, traumas, transtorno bi-polar, inibição, estados de sofrimento, crises existenciais, problemas de relacionamento, anorgasmia, insônia, descontrole emocional em testes provas e avaliações, TOC – transtorno obsessivo compulsivo.

É utilizada também como trabalho ou ação preventiva de apoio psicológico às gestantes com informações e exercícios que podem orientar a conduta dos pais durante a gestação e no pós nascimento, pela importância que tem e deve ser dada à criança na relação mãe/bebê.

“Em alguns casos, a Psicoterapia cumpre também uma função de educação para a vida, oferecendo um espaço de aprendizado, com instrumentos e conhecimentos que podem ajudar na orientação e condução da vida. Esta função torna-se fundamental em situações de desestruturação decorrente de crises ou casos de imaturidade psicológica, quando a pessoa se sente verdadeiramente inapta para lidar com os enfrentamentos e dificuldades em sua vida.“ (Artur Scarpato http://www.psicoterapia.psc.br/scarpato/panico.html)

A psicoterapia variando de pessoa para pessoa, inicia-se com o estabelecimento do rapport (clima de empatia e confiança mútuos), passando por fases de caráter informativo, de elaboração de conceitos fundamentados na filosofia, na identificação e introjeção de princípios, na identificação das limitações e dos sintomas, na busca das causas dos sintomas, na mobilização e aquisição de recursos, na utilização de instrumentos específicos ou exercícios para trabalhar as causas dos sintomas, na busca da compreensão, elaboração e superação das limitações.

Na Psicoterapia Breve Ericksoniana, durante todo o processo há que se manter o rapport, em sintonia com os Princípios Ericksonianos, colhendo-se com freqüência os “feedbacks” que norteiam a psicoterapia, voltada para a solução.

Todo processo psicoterapêutico deve ser pautado em sintonia com o código de ética da Psicologia e normas do CFP – Conselho Federal de Psicologia.