Tornando-se imune à inveja

Do livro Psicologia Positiva – PNL e Coaching Pessoal
de Joel Antunes – Editora Viseu

Já tinha escutado, mas nunca lido nada sobre a inveja. Acredito que, como se trata de algo imponderável, ninguém escreve sobre ela, talvez por falta de fundamentos que possam sustentar a tese. Nem por isso acho que devo tratá-la como crendice ou superstição.

O dicionário Priberam define a inveja como sendo:

1. desgosto pelo bem alheio;

2. desejo de possuir o que o outro tem (acompanhado de ódio pelo possuidor).

Conforme narrado anteriormente no texto “Fisioterapia Mental”, um cliente, aluno de Engenharia Biomédica, havia feito um experimento usando um eletroencefalógrafo, em que pediu a uma pessoa para fazer, primeiro, movimentos físicos e, depois, inerte, fizesse os mesmos movimentos, dessa vez apenas mentalmente. Em ambos os casos os registros das ondas cerebrais foram os mesmos, o que comprova que tanto o que vivemos no real quanto o que fantasiamos ou imaginamos é transmitido em forma de ondas cerebrais e influenciam nosso psiquismo, nosso corpo e nossa mente inconsciente e em tese, a outras pessoas.

Se o cérebro tem capacidade para gerar e emitir ondas, ainda que de micro ou nano watts de potência, tem também, em tese, a sensibilidade suficiente para captá-las.

A inveja (desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia) como uma interferência das ondas do pensamento de uma pessoa sobre outra, pode chegar até mesmo a prejudicá-la. Essa interferência pode ocorrer de forma positiva ou negativa. A forma negativa caracterizaria a inveja.

Ela pode afetar os projetos, desejos ou sonhos de uma pessoa quando estes ainda estão no plano virtual, ou seja, enquanto estão sendo pensados, imaginados, criados mentalmente. Em tese, nessa fase, considerando-se a sua sutileza, a imagem mental pode ser afetada, neutralizada ou destruída pelas ondas cerebrais sutis e negativas da inveja. O dito popular “O segredo é a alma do negócio” faz sentido. Quem já colocou isso em prática sabe bem que há uma relação direta entre a manutenção do sigilo e a realização de um projeto.

A inveja pode também ter uma ação negativa sobre as coisas materializadas ou já realizadas, através da pessoa invejada. Em tese seu psiquismo poderia ser afetado e afetar a pessoa ou o seu comportamento.

As pessoas mais próximas e mais amigas são aquelas com maiores possibilidades de sentir inveja de você, de maneira mais intensa.

Quem fala dos seus planos ou sonhos para alguém, se torna responsável por despertar no outro o sentimento negativo da inveja, que pode prejudicar um e outro. Ninguém está imune à inveja, mas pode evitá-la não expondo seus planos e realizações.

Experimente guardar absoluto sigilo sobre os seus sonhos, objetivos e projetos e os verá mais rapidamente realizados. Quando falar sobre eles, para alguém? Depois que tiverem sido realizados. Mas, preventivamente, não o faça.

Livro Psicologia Positiva – PNL e coaching pessoal de Joel Antunes, à venda na amazon.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *